Um homem e um personagem para além dos tempos...

“Machado de Assis e Brás, ambos no Brasil do século XIX”.
            
            Machado de Assis nasceu no dia 21 de junho de 1839 no morro do livramento, periferia do Rio de Janeiro. Nesta época o Brasil se encontrava em um turbilhão de transformações, aderidas sequencial e substancialmente pela vinda da corte portuguesa para o Brasil em 1808 e com a permanência de D. Pedro I até 1831 na ex-colônia. Entretanto, ao nascer ‘Joaquim Maria Machado de Assis, encontraria um Brasil de múltiplas divergências, um Brasil escravocrata, de governo regencial, formado de um lado por farta riqueza a um determinado grupo social e abastecido por outro grupo essencialmente pobre e desconhecedor das riquezas materiais trazidas para o Brasil, ou seja, tínhamos tudo, menos algo que se aproximasse da dignidade e igualdade social.
            É neste âmbito social que nasce o gênio da literatura, Machado de Assis. Ele vai poder presenciar todos os aspectos da sociedade a qual faz parte, primeiro porque nasce na periferia e depois porque vai conhecer e até fazer parte do meio elitista da cidade do Rio de Janeiro, na época capital do Brasil.
            A carreira Machadiana, ao contrário dos que alguns estudiosos indicam, sempre foi embasada em alguma crítica; entretanto, é com a obra ‘Memórias Póstumas de Brás Cubas, marco inicial do realismo, que Machado de Assis, através de uma narração lenta e complexa, vai de maneira inteligentíssima encontrar uma forma de denunciar, ironizar e esclarecer as peculiaridades de uma sociedade extremamente fútil, individualista, hipócrita e constituída necessariamente de aparência. Vai também estabelecer as fortes ligações entre uma sociedade com intensas desigualdades, inicialmente porque aborda a questão da escravidão, e depois porque há a abordagem de uma camada social rica e outra extremamente pobre.
            O ex-professor da USP, Valentin Facioli, foi um grande interpretador da obra “Memórias póstumas de Brás Cubas” ele disse: “O romance aqui é simples acidente. O que é fundamental e orgânico é a descrição dos costumes, a filosofia social que está implícita". Com certeza o professor tem razão, antes de ser romance memórias póstumas é um conceito, é uma acusação a uma sociedade inteira, é a opinião crítica de um escritor implacável.
            Como já foi mencionado, a narrativa não linear em que é produzido o livro, aborda os vários ângulos da sociedade brasileira, mais precisamente as províncias ligadas extremamente ao modelo que a metrópole trouxe para o Brasil, que era fundamentalmente o Rio de Janeiro, todo o litoral sulista e algumas partes do Nordeste que tinham assumido ou adquirido naquele momento histórico algumas das características da Europa. A interdisciplinaridade do livro enfoca todos os recursos possíveis, desde a conversa direta com o leitor, até a citação diversas vezes de filósofos, imperadores romanos e escritores famosos com Shakespeare, a narração lenta e metafórica pode parecer para alguns leitores desconfortante e até mesmo chata, fato que o narrador em uma de suas passagens concorda; porém sabe-se que se esta passagem se trata de um dos vários momentos críticos do livro. Outro recurso usado por Machado de Assis é a figura de linguagem “digressão” em que os fatos e ações percorridas são transpassados de forma que não seguem um fio lógico ou cronológico, eles obedecem a uma ordem interior do narrador, ou seja, são descrevidos à medida que afloram a consciência ou a memória do defunto-autor- Brás Cubas, num sentido não linear.
            De todos esses momentos de crítica, enfoco reflexão em um determinado capítulo. Aos cinquenta anos de idade, Brás Cubas já percebe o fracasso que foi sua vida, nota que o frescor da juventude a tempos se foi e que nada havia conquistado o que lhe aguardava era o esquecimento “Cinquenta anos! Não é a invalides, mas já não é a frescura”.
            É neste momento que Brás Cubas busca alternativas para mudar o quadro negativo a conselho de seu amigo Quincas Borba e em uma tentativa frustrante ele resolve, no governo, fazer um discurso breve para ganhar prestígio, mas acaba abandonando a política; é nesta conjuntura que ele decide fundar um jornal oposicionista e manda a notícia a imprensa, o que Brás não esperava era a revolta de Cotrim, seu cunhado, juntamente com sua irmã, neste capitulo “o desatino”, ambos não concordam com a disseminação de tal ideia, para eles Brás seria discriminado pela política e até pela sociedade totalmente conservadora, teria como resultado o fracasso e por fim a opinião crítica de toda a elite dominadora.
            Logo pode-se perceber a crítica ao defeito da aparência, ao medo do julgamento de uma sociedade hipócrita e de uma política descriminatória. Deste capítulo tiro também a interpretação de que Machado de Assis podia esta se referindo a sua própria obra “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, que seria uma inovação gigantesca e corajosa na sociedade, um livro cujo ideário não era mais o romance supérfluo do romantismo mas uma obra enigmática e crítica de um alcance social intenso e baseada também em um próprio ceticismo machadiano, assim, Machado de Assis seria também julgado na sociedade, alguns iriam o louvar, outros não. A conclusão do referido capítulo também termina em mais um fracasso para Brás, no entanto, este capítulo, e principalmente o livro inteiro, nos passa a ilustre coragem de Machado de Assis, que através de Brás se exime de qualquer compromisso com a sociedade, estando livre para criticá-la e revelar as hipocrisias e arrogâncias das pessoas com quem ele convive. 


                             



Um comentário:

  1. Como trabalha essa cabecinha; show de bola, ou melhor, de cabeça.

    ResponderExcluir