Acari, convicções que envolvem vidas em um tempo de certos ou errados.

        Sobre um determinado espaço geográfico as pessoas criam laços afetivos, culturais, étnicos e etc. que promovem ao longo do tempo e, portanto às gerações sequentes, um destino semelhante. Essa analogia constrói o que chamamos de identidade mútua ou nação e são desses conceitos que se edifica um país, um estado, ou uma cidade.
Todas as partes do globo terrestre possuem sua história. Acari, minha cidade, também. Com isso, todos nós acarienses somos proprietários de um estoque de bens em comum, sejam eles materiais, imateriais ou naturais, que pertencem a nossa cidade e que representam um valor singular no nosso coração se formos realmente nacionalistas e dignos de expressar uma identidade mútua.
Como em cada canto do mundo, a diversidade de valores, conceitos, ideias e pensamentos divergentes também coexistem. A dinâmica da sociedade é aprender a conviver em harmonia e de forma socialmente comunitária mesmo existindo essas dessemelhanças no dia-a-dia. Porém, eu acredito, que apenas no dia em que todo cidadão tiver acesso e influência sobre os recursos públicos igualmente, poderemos dizer com confiança que temos um convício comunitário e realmente democrático.
 “Eu moro no recanto do Seridó, onde as serras são mais que só nosso relevo, são cordilheiras que prestigiam nossa beleza e nos esconde do resto do mundo; moro por entre as águas do gargalheiras, o deslumbre dos olhos; moro dentre os montes da caatinga que abrigam nossa principal característica; moro em meio a belas figuras indígenas que descrevem o percurso da nossa história; moro no retiro de uma rica cultura privilegiada por um povo trabalhador dono de uma tradição, e de uma herança; moro em uma cidade limpa do sertão, um cantinho que pertence ao Brasil, mas pertence mais ainda ao meu coração. Meu Acari”
           Com esse meu pequeno poema, meu desejo é reafirmar o amor que sinto por essa terrinha a qual pertenço, e a qual já senti tanto orgulho de morar. Eu já perdi a conta de quantas vezes protegi minha cidade por apego quando ouvi alguém de outro município falar mal. Sempre achei que morava no polo do Seridó, numa cidade fleuma de sossego, abençoada pela própria natureza, pouco humanizada para o seu bem, com uma economia boa... Mas eu cresci há alguns anos, e acho que todo esse orgulho que eu sentia me fez ver que Acari é muito mais do que só isso. Acari é mais de 12 mil habitantes, é gerações passadas e gerações futuras, e isso não pode ser simplesmente esquecido.
          Dar ênfase somente às qualidades do Acari é esquecer a dor da mãe que está perdendo seu filho pra as drogas, é não procurar meios de ressocialização pra esse jovem. É não ver que Acari tem poucas praças apresentáveis, que o marco referencial da nossa cidade, o gargalheira, está poluído até a tampa e que tem muita gente bebendo essa água ou pior, gente tentando tirar seu sustento dessas águas. Dar ênfase apenas às qualidades do nosso Acari é o mesmo que tentar ocultar o sofrimento das pessoas que têm que se acostumar com odores desagradáveis de dejetos em suas ruas, é calar a angústia de um jovem ou adulto que não consegue um emprego, é encobrir que temos problemas na área de abastecimento, saneamento básico, na gerência da prefeitura, no pagamento dos funcionários públicos, e até no atendimento da saúde. Dar evidência unicamente às qualidades da nossa cidade é esconder que somos vítimas de um clientelismo¹ anoso que já deveria ter sido extinguido, é camuflar o fato de não termos uma festa junina tradicional como antigamente tínhamos, é não se perguntar o porquê que Acari não evoluiu como as outras cidades que são mais novas, é afirmar indiretamente que a realidade do nosso município é outra, é algo perto do perfeito, é ignorar que existe muitas pessoas sendo ignoradas e muitos problemas a serem resolvidos. Pra mim, fazer de conta que está tudo bem é o mesmo que colaborar com tudo isso. 
         Como dizia meu saudoso e tão mencionado físico Albert Einstein: “O mundo não está ameaçado pelas pessoas más, e sim por aquelas que permitem a maldade”. Pense !!
Eu amo ser acariense e é justamente por isso que eu não posso virar as costas aos seus problemas, é como diz a frase: Quem ama cobra. Eu não culpo uma pessoa por tudo isso, eu conheço muito bem a história política de Acari. Mas, tirando uma interpretação de algo que falei no início do meu escrito, nós somos a evolução daquilo que um dia nossos ancestrais iniciaram. Quem está no poder, deve se sentir na obrigação de cumprir seu trabalho e em conjunto com sua assessoria buscar soluções aos empasses reavendo os erros do passado.

Pra mim, o amor não é cego...

Luana Cristina.

¹ Clientelismo: Maneira de agir que consiste numa troca de favores, benefícios ou serviços políticos ou relacionados com a vida política. 

4 comentários:

  1. Você é fã de Einstein, né? Adorei o artigo.

    ResponderExcluir
  2. Luana, continue escrevendo, esse Anderson deve ser alguém despeitado que não tem o seu talento para as letras!

    ResponderExcluir
  3. Quanto ao que me cabe, tenho saudades de Acari. Enorme respeito a todos os moradores da cidade. Acho totalmente desnecessário os comentários destrutivos de pessoas transtornadas e desiludidas com suas próprias vidas. Parabéns Luana. És tão linda por dentro quanto por fora. E Rosália, concordo com você, pois só consegue enxergar a magia, aquele que acredita que ela existe. Abraço.

    ResponderExcluir
  4. Parabéns Luana pelas tão bem colocadas palavras, NENHUMA delas se encontram fora do prumo, ou seja, corresponde a verdade. Continue firme e forte em sua revolução com as palavras, elas são de suma importância, sem falar que vc tem talento natural e um bem precioso = fala com sentimentos nobres, de coração para os corações, muito bacana isso, pois acrescenta a tudo o que foi dito algo imensurável CREDIBILIDADE!!! Grande abraço...
    Farah Indira

    ResponderExcluir