tempos.


Era domingo e o céu invernal meio alaranjado fez-me ver aquela terra como um sítio arqueológico de minha própria vida. Parece que cada árvore, compartimento, estrada e recanto oferecia um vestígio do que foi minha criação.

Com o sol quase em total epílogo, vi nascer uma lua cuja origem me pareceu teórica demais. Nasceu no leste, vai desaparecer no oeste. Pensei.

Porém, houve um tempo em que esperar a total escuridão da noite no sítio dos meus avós representava a êxtase das brincadeiras, o surgimento voluntário dos primos que viravam seres híbridos, ou seja, os lobisomens, na tentativa de suscitar medo, concebia a certeza do dia seguinte onde tínhamos uma jornada de realizações em que nenhuma incorporava responsabilidades.

As chuvas torrenciais simbolizavam primeiramente súplicas, com o consentimento dado, à natureza proporcionava o resto. Com certeza era a liberdade. Debruçar-me sobre os perigos que a vida apresentava de forma tão intencional, sistemática e inocente, nunca mais foi tão humano, instintivo do mesmo modo.

Era um mundo de descobertas, onde às vezes eu me via sozinha e saia procurando o que fazer como qualquer criança faria.

Comumente eu tinha a sorte de ir até a porteira deixar o leite com meu avô Basto, sempre muito cedo, umas cinco da manhã, eu e meus primos abusávamos das pseudociências na vontade de um parecer mais esperto que o outro e pegar o lado privilegiado do pobre burro Rozado, que além de carrear nosso peso, suportava os dois latões de leite.

As poucas palavras que trocava com meu avô ao longo do caminho condicionavam algo que não era muito frequente. Mas, eu e meus primos gostávamos de ouvi-lo, mesmo que fosse pouco. Muitas vezes formulávamos perguntas que sabíamos que lhe interessavam como: Será que vai chover, vovô?

Meu avô era um homem de estatura não muito alta, tinha os olhos azuis destacáveis, rosto fino e cabelos grisalhos, era personificado como as pessoas de sua época, mas com uma característica acentuada, o fato de ser incorruptível, dono de um caráter e organização singulares. Tinha uma visão prática do seu mundo, que lhe permitia com naturalidade desenvolver seus trabalhos e demonstrar seus conceitos.

Sempre que me via levantava-se e curvava seu chapéu, a qual sempre usava, em um gesto de respeito e educação. Em seguida a isso eu pedia-lhe a benção, ao apertar a minha mão sentia à sua, calejadas, que simbolizam o trabalho duro.

Ao voltarmos da porteira com o leite já entregue, a uns 100 metros de distância da casa, parece que eu já sentia o cheiro do café da minha vó ou das minhas tias. Sentia uma emoção sincera de felicidade, um sentimento que se delineava com o açude cheio, o céu límpido, a ternura dos raios solares, os meus primos prontos pra brincar, as árvores e os solos verdes, os animais, minha família trabalhando, tudo transformava aqueles dias em uma compleição espiritual, alegria de criança.

E foi esse ambiente, que tinha tudo para parecer inercio, mas que era de incessantes abalos, que forneceu alguns dos alicerces para o meu crescimento.

Aqueles tempos não eram totalmente completos, mas com certeza eram intensos. Não havia limites, nem medos. Aprendi tanta coisa, fui tão criança que eu nunca conseguirei explanar.

A tecnologia se restringia a uma televisão, um rádio e a técnicas empíricas para as tarefas do sítio.

...

O sítio ainda está lá, ainda trasborda tranquilidade, o sol é o mesmo, assim como toda natureza. A alegria também é quase a mesma. Mas aquele lugar materializa principalmente a névoa boa de um passado, que aos poucos foi desfeito pela réstia fatal do futuro.

Disso tudo, falta à presença do meu avô; em fevereiro deste ano completou quatro anos que ele nos deixou, e após sua morte nunca mais vi ninguém curvar o chapéu pra moças, e nem nada foi igual como antes lá no sítio.

Quando lembro do meu avô, as primeiras imagens não são alusivas a hospital, ou doença e ainda tento não pensar nas negligências da saúde pública. Lembro sempre e com proeminência da pessoa que ele era, de sua postura, respeito, honra, firmeza de caráter e de como ele, meu pai e meus tios sumiam naquela natureza inóspita; admiro o amor que ele sentia pela minha vozinha Ana, recordo do chapéu de palha usado para trabalhar, das previsões de chuva, da humildade, da minha família paterna reunida, as brincadeiras com meus primos, rememoro dos jogos - principalmente o Ludo, dos animais sendo pastorados e de todo resto. Hoje percebo o quanto aquela época foi importante e o tamanho do exemplo que meus avós e minha família representam pra mim.

Infelizmente a vida nos oferece uma caminhada em que os passos dados representam passagens que se vão e não voltam.

Mas a ária ainda esta aqui. Possuída pelas fantasias e pelos sonhos, porém com o fraseado atuante e sempre esperançoso de vencer e orgulhar as pessoas que amo com prudência e determinação. Tudo que eu vivi até hoje foi o bastante para minha personificação. Cada passo tem sido infiltrado com sabedoria, por tudo e por todos algo brotou, se mestiçou e se iluminou. Fica a lição e a certeza que cada dia será vivido com a intensidade que merece, o futuro pode esperar, mesmo que eu o sinta inserido neste presente.





5 comentários:

  1. Luana que texto lindo de repente vi passando de ante dos meus olhos todo aqueles momentos lindos que vivemos no sitio o nosso avô, e que sem ele no sitio fica tudo sem sentido n é mesma coisa !chorei o texto todo pensando em tudo, e nesse momento que estou digitando estou chorando, foi muito bom relembrar do nossso avô de uma forma bem diferente!tô sem palavras no momento mas foi como um filme pra mim!obg prima te amo!!saudades

    ResponderExcluir
  2. Preciso de sua presença na escola para dar um depoimento sobre a competência escritora; sobre as olimpíadas e sobre objetivos e metas a alcançar; a calcinha de Lauane tá comigo. Texto de chorar, lindo, maravilhoso

    ResponderExcluir
  3. Luana não é a primeira vez em que você me deixa sem palavras quando leio seus textos. Seu texto me levou a minha infância, você me encantou com suas palavras, me levando num mundo em que fui muito feliz. Lembrei-me do sítio, o cheirinho do mato molhado, dos trovões quê me enchiam de medo e das brincadeiras que só a gente tem, quando somos crianças. Parabéns você me recordou a melhor época que temos, você é um polo de conhecimento. Fica aqui minha honra de ler um texto tão emotivo e cheios de conhecimentos, Parabéns, você é 10.

    ResponderExcluir
  4. ME FEZ LEMBRAR DE TODA MINHA INFANCIA... AO LADO DE VOVO^BASTO, E VOVÓ ANA... MEUS TIOS E TIAS;
    TEMOS MUITA SORTE EM TER UMA FAMILIA MARAVILHOSA COMO A NOSSA LUANA. ME EMOCIONEI COM ESSE TEXTO!

    ResponderExcluir