A expectativa é uma lástima perfeita, que por hora nos dá esperança, e por outra nos tira.


Imperfeitamente acreditei nela, e tive a decepção como resulta...

Grandes nomes que eu admiro, dignos da repercussão mundial assim como, Albert Einstein, o teórico da relatividade, ou mesmo, um mais próximo como Machado de Assis, pai do realismo, são exemplos de gênios autodidatas, os quais eu enfoco em forte reflexão, cada um de seu modo encontrou suas vocações sem frequentar a escola diariamente. Esses foram um grande espelho pra mim nos últimos meses.
 Eu amo a minha escola, foi lá que conheci pessoas realmente preocupadas com meu futuro, que mesmo com poucos instrumentos ao seu favor, contribuíram para a mudança e a absorção de parte do que eu sou hoje. Foi na escola que professores transmitiram eficazmente os vários ângulos da supervivência; o mundo, como ele funciona, de quê nós seres vivos somos constituídos, como se deu nosso presente a partir da complexa história, porque é importante o uso da linguagem, seja o nativo, ou estrangeiro, porque a noção crítica deve ser formada pelos jovens e empregada à sociedade, e muitos valores.
Voltando para a expectativa, e para os gênios, queria destacar minha necessidade contígua. Albert Einstein disse: "O que se aprende antes dos dezoito anos, acredita-se proveniente da experiência.” Eu nunca vou culpar algum insucesso meu aos meus educadores, afinal muito do que eu sei devo a eles.
Quando eu interpreto essa frase de Einstein imagino que ele queria expressar que o aprendizado é algo multíplice e abarcado no psíquico da mente ao longo da existência; é isso que faz sentido no processo da evolução, por exemplo, pra os homens pré-históricos dominarem o fogo decorreu-se um longo processo de vivência e observação; até a sociedade usar uma forma definitiva de escrita foi preciso muitos séculos e a influência de diversos povos. Para Newton postular suas leis de mecânica se doou quase toda vida. Até a formação do planeta terra se deve a um procedimento contínuo de mudanças e de adaptação.
Toda essa complexidade de palavras, que podem ou não fazer sentido, diz respeito ao sentimento corrompido do qual eu também faço parte.
Afinal o conhecimento nunca será incorporado ao espírito sem total doação e treino, ele é consecutivo, conquistado em todas as esferas, e a formação escolar é de suma importância nesse crescimento. Mas, a dedicação fora da escola substitui muitas vezes esse sentido. Mas como? Até agora eu não entendi onde ficaram minhas opiniões, até onde eu sou parte importante na aparência do governo, e até onde sou importante na realidade que serve a minha situação no que diz respeito à política educacional. Eu vejo muitas leis que protegem meus direitos, porém ao meu mesmo tempo não consigo usar nem uma ao meu favor. Talvez se eu fosse do tipo que vai pra escola só por obrigação eu não me sentisse indignada. O que acontece é que me é imposta uma política discriminatória, na qual a educação é a parte menos respeitada, eu não tenho direito nem de estudar.
 Eu penso como seria o nosso presente se os grandes gênios desistissem na primeira vez; até se descobrir a composição do átomo, só por ilustração, foi preciso pesquisa e estudos árduos de muitos físicos e químicos, desde Dalton até Bohr. Então eu não quero dizer que vai ser em um ano que eu vou fazer jus a um aprendizado que deveria ser de uma vida inteira, mas ao mesmo tempo em que conheço minha capacidade, sei que necessito continuar estudando diariamente como antes pra me realizar, só que infelizmente não está mais a meu alcance.
Eu venho me preparando de verdade pra o vestibular desde o momento que escolhi como curso, Direito. Não o escolhi por status, mas porque tenho verdadeiro fascínio pelo ideal de ordem e justiça. Eu não tenho medo de não passar na seleção, eu tenho certeza que um dia eu vou conseguir, porque eu tenho capacidade suficiente.  O que tirou minha esperança pra esse ano é que por necessidade meus professores irão pagar as aulas da greve à tarde e noite, justamente as horas que eu “necessito” para me preparar pra minha prova. Sendo assim não há sentimento que revolte e retrate minha indignação, a governadora me tirou os professores e agora me tira o direito de estudar mais uma vez, como eu vou me sentir capaz se não tenho escolha, se sou convicta que irei concorrer com pessoas preparadas intelectualmente, de escolas federais e privadas que não sofreram a interferência da greve?
Eu gostaria de gritar para a excelentíssima governadora que “Eu Não Tenho Culpa da Irresponsabilidade de Ninguém,” seja um problema antigo ou novo, eu não me importo. Não cabe aos governantes resolver os problemas? Onde está a minha necessidade? Ninguém discute isso? Será que existe uma proposta pra mim? Justifique-se porque eu não tenho nenhuma artimanha em mãos, e você trabalha pra mim, ou não?
Sinto muito mais, pelo menos o meu neoliberalismo deixa-me queixar!
Eu sei que lágrimas e lamentos não vão adiantar. “Entendo, perfeitamente, meus professores, eu sei a luta que eles ‘sobrevivem” todos os dias, a lamúria de depender de um estado perverso e cínico. Não julgo meus professores, os admiro. Eles são tão vítimas quanto eu. Mas desejaria sinceramente que tudo isso fosse mentira, um sonho embuste, em que eu pudesse acordar e estudar tranquila para minha prova, preparada como eu quero. Mas infelizmente por esse ano chega! Eu estou cansada de lutar contra o tempo sem nenhuma consideração dos políticos, eu desisto de chorar, de lastimar os prejuízos, de ficar calada enquanto me tiram até o mais simplório dos meus ideais.
Tornando aos autodidatas, muito do que eu sei, eu aprendi estudando em casa. A dedicação realmente se baseia nos sonhos, tudo que é verdadeiramente ambicioso é autêntico e nos dá ferramentas de constantes buscas. Os sonhos deveriam nortear a vida dos mais poderosos para que  ao invés de extrair os meus, pudessem nos amoldar em ramos convenientemente castos para alcançarmos a almejada igualdade social, se fosse assim eu não estaria escrevendo isso agora. Essa seria uma solução profícua. Infelizmente está longe...
Eu não sei o que será daqui pra frente. Se o resultado de tamanho esforço, de ficar o dia inteiro na escola será conveniente para o meu futuro. Com certeza não será pra o meu vestibular. Principalmente porque não poderemos aproveitar essas aulas.
Eu torço por cada um dos meus professores, que eles sejam recompensados dignamente e como eles merecem. Minha escola, embora não tenha fama, foi a única que me ofereceu professores preocupados, justos e qualificados, que ensinaram de forma que preenchesse a carência educativa de cada um. Em outras escolas de “boa fama” isso não ocorre, ocorre a preferência, a exclusão!. Eu já estou convencida de que não há nada a fazer, só sofrer essa é minha real situação. E afrontar, para que meus irmãos conheçam uma realidade diferente.
 Peço a Deus que a cada dia meu sonho se fortaleça, que eu não me espelhe na ruína que a política impõe, não só a mim, mas a todos os colegas da escola. Peço que Ele não me abandone, nem me Veja como fraca, que Esteja comigo ano que vem com muita honra. Que esse desânimo seja responsável por nutrir minha esperada conquista, que a expectativa da esperança empunhe sempre em minhas ações até o tão sonhado grito.
Luana Cristina
   

29 de julho, 2011.

aos sonhos.




6 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. É verdade, Luana!
    Tbm estou tenho que conviver com a greve.
    Que texto emotivo, realista.
    Me lembra os filósofos do existencialismo, a ideia de determinismo.
    Nós somos responsáveis pelos nossos atos, eu acredito nisso, mas não nesse caso, onde a irresponsabilidade do Governo ultrapassa as leis da natureza, os direitos humanos. Aonde vamos chegar, né?!

    ResponderExcluir
  3. Lú, sou revisora dos seus textos e posso falar do seu mérito, parabéns sempre, sou sua admiradora. Max está certo, você está na universidade. Um beijo bem grandão

    ResponderExcluir
  4. quero mais uma vez parabeniza-la e dizer q seu texto é bastante reflexivo e prescreve momentos q já passaram e q ainda serão vividos: falo da esperança !! estou um pouquinho chateado né, mas nada q não me faça reconhecer seu talento !!

    ResponderExcluir
  5. luana vc e 10 parabem pelo seu talento que deus lhe coseda sempre assim .maria da guia e familia deseja tudo de bom pra vc e o que seu tio dede lhe deseja.1 de agosto de 2011

    ResponderExcluir
  6. ola, luana

    Dou o maior apoio a você. você fala e escreve muito bem, logo deve gostar de ler, e isso é o que você vai mais fazer ao longo do curso.

    sou estudante de direito da ufrn em caicó

    tente o vestibular para aqui. tenho colegas que viajam diariamente para aqui.

    boa sorte

    ResponderExcluir