.

A noite (quando preciso) sempre me socorre com esses típicos sentidos... Me mostra que pequenos prazeres estão próximos... A rua, a casa, os móveis, os livros são comuns ao íntimo, mas o conjunto visível traz também o lado invisível das coisas. Traz a nostalgia de momentos passados, momentos que estão por vir e dos que estão acontecendo... saudade de uma infância bem aproveitada, de uma integração de tempos que retratam diferentes estágios da vida que já concluímos. Traz o entusiasmo de notar-se subitamente completo e feliz e perceber também que a vida é uma bela alegria da qual sairemos, em nossa totalidade e ambição, incompletos...
(Acho que um dos motivos de amarmos tanto algumas pessoas é por esse sentimento inesperado que só outra alma humana pode despertar, provocar: Sentir-se completo numa projeção conjuntural em um mundo de incompletudes...).
... A lua, referência mais antiga da noite, tão bem ordenada com seus insignes e ponderados movimentos, acalma meu mundo desordenado, rápido de luta contra o tempo... Parece muito, mas a noite é curta pra tanta coisa que acaba pertencendo a ela. É curta, mas sempre se mostra suficiente pra grandes coisas. Suficiente pra conhecer melhor o mundo. Pra amar... apreciar. Satisfatória pra os pequenos encantos... Um livro. Um violão. Um frio tímido e estático. Uma música. Uma saudade. Um gato amigo. Meu café perto da minha pouca bagunça que há tempos minha paciência e passividade não deixavam existir... Repentinas observações e toda a graça da juventude... Toda beleza do despropósito e da autocontemplação. Toda grande pequena dose de insolência e atrevimento ao esquecer os problemas e rir (de felicidade e a vontade) dos meus voos e dos que ainda irei alçar... Reconhecer a seriedade da vida e ter discernimento e a generosidade de não levá-la a sério por alguns instantes e sonhar meus enredos, escutar meus cantos... E meu quarto se torna um mundo... Um mundo que resguarda minha vitalidade, meu otimismo, minhas idealizações, minhas buscas, meus estudos, reflexões e admira todo pequeno conhecimento que solta correntes e aumenta as quedas porque dá mais coragem e mais possibilidades... E esse mundo protege também o lado misterioso que são os momentos em que a essência fala mais compreensivamente conosco; em que ficamos mais sensíveis. Numa interação de corpo, mente e espírito. Porque nossa unidade merece nosso respeito. Merece descanso e descoberta. ‘ Perder-se também é caminho. É bom perder um tempo que não é perdido. E descobrir que no particular somos muito mais diversos do que imaginamos... Além de tudo, há horizontes vertiginosos para se desvendar. Novos e velhos itinerários. Há a gestação de incipientes metamorfoses para a vida que precisamos saber lidar e encontrar... Há a ânsia de viver e a pretensão de ajudar.
... Acredito que a cada novo horizonte que descobrimos, a cada ignorância que combatemos nos tornamos mais humanos porque acabamos nos compreendendo um pouco mais o que implica compreender que os outros também têm sua “unidade” assim como nós, e seus horizontes, e suas distinções... Por isso acho ilógica a pessoa preconceituosa. 
... Um conselho: Como quem busca um final melhor e mais feliz com inteligência, procure se amar mais. Ame-se. Descubra-se... Atue. Mude. Leia mais e desvende o mundo todos os dias... Tenha convulsividade em procurar crescer e desenvolver suas habilidades. Não fique a mercê do profundismo que são os estereótipos de aparência que cultuam a 'normalidade'. A felicidade está muito longe disso. Está em aceitar-se tal qual é. Apreciar-se com defeitos e qualidades ao invés de passar a vida inteira com uma utopia de perfecionismo... Abdique o que faz mal, satisfaça-se no que lhe agrada e lhe desperta a “completude”... A perfeição e a felicidade estão no simples... Naqueles pequenos momentos que são tão especiais e significantes que ultrapassam aquele instante e se tornam algo próximo do eterno, ou mesmo o eterno. 
A felicidade está numa contínua descoberta e em humildes aprendizados. Está em amar intensamente. Em ser justo. Não desistir dos ideais facilmente.... Está no que é importante e verdadeiro. No que é nosso
... O fato é que a felicidade existe, ela é uma questão de conquista. 


2 comentários:

  1. Meu Deus Lu,descobri o seu blog fantástico!! que texto mais puro e autêntico,amei todos. Beijos e saudades!!

    ResponderExcluir